22 Jul, 2021

Carrancas: conheça a Terra das Cachoeiras em Minas Gerais

Carrancas é uma cidade no sul de Minas Gerais conhecida como a Terra das Cachoeiras: são mais de 30 quedas d’água e muitos outros atrativos naturais para curtir! Vem conhecer mais de 15 cachoeiras, veja onde se hospedar e onde comer.

Cachoeiras de Carrancas

As cachoeiras são divididas em complexos, como o Complexo da Zilda, Complexo da Esmeralda e Complexo Vargem Grande, que agrupam várias atrações e normalmente cobram um valor pra entrada. Geralmente a trilha até as cachoeiras é bem demarcada e não passam de 10 a 15 minutos de caminhada.

Cachoeiras de Carrancas

Os complexos também ficam próximos à cidade, chegando a no máximo 30 minutos de distância para o mais longe. Veja abaixo como chegar e quais os valores de abril de 2021.

Complexo da Zilda

O Complexo da Zilda é um dos mais procurados em Carrancas. É onde fica o Escorregador da Zilda, uma das atrações mais famosas, além de uma hidrotrilha incrível. Vale a pena separar dois dias para visitar tudo!

Lembrando que a Cachoeira da Zilda não é acessível por esse complexo e sim pelo Parque da Serra do Moleque. Contamos mais sobre ele abaixo!

São mais ou menos 12km de distância do centro de Carrancas por uma estrada de terra bem conservada (alguns trechos são ruins mas nada que impeça um carro pequeno de ir). Há três opções:

  • Parar no estacionamento do Camping Escorregador para ir até o Escorregador da Zilda.
  • Parar próximo a Pousada Vale da Zilda e fazer a hidrotrilha pela Racha da Zilda
  • Parar no estacionamento logo na entrada do complexo e visitar a Cachoeira do Índio e Pinturas Rupestres.

Vem ver como chegar até cada um deles e quanto custa:

Escorregador da Zilda

Nunca pensei que iria achar o Escorregador da Zilda tão divertido!

via GIPHY

A entrada fica no estacionamento do Camping Escorregador e custa R$ 10 por pessoa. É interessante ir próximo ao meio dia pois o local é bem sombreado e nesse horário tem chance de ter um pouco mais de sol. Na época em que fomos as águas estavam gelaaaadas!

Em 5 minutos de caminhada você já chega. É uma pedra muito lisa e escorregadia com um poço embaixo, literalmente um escorregador. O local é pequeno e as pessoas ficam se revezando esperando que um desça pra depois descer (é tipo fila do parquinho mesmo haha).

Escorregador da Zilda

Depois de descer, é possível subir novamente por uma corda que fica na lateral do escorregador. Muita atenção porque é extremamente escorregadio! Outra dica é descer bem no meio do escorregador pra não correr o risco de bater nas laterais,

Escorregador da Zilda

Ah, e mesmo não estando muito quente e a água geladíssima no dia em que fomos, aproveitamos mesmo assim! Nunca achei que ia ter coragem mas é TÃO divertido que vale a pena.

Racha da Zilda

O circuito de aventura pela Racha da Zilda é imperdível!

Para começar, estacione próximo a Pousada Vale da Zilda. A entrada é feita somente após passar pelo fiscal do complexo, fazer o pagamento da taxa de R$ 25 e passar algumas informações de contato. No meu caso, também peguei um colete salva vidas, pois a trilha é feita pelo rio. O número de turistas é limitado e na entrada perguntam sobre as suas condições físicas.

Racha da Zilda

A hidrotrilha tem esse nome porque é parte na água, parte por terra e em alguns momentos você precisa “escalar” pequenas paredes. É recomendado ir com calçados adequados.

Racha da Zilda

A trilha passa pelo poço Compostela, poço Saci, poço Virada e poço Verde.

Após mais ou menos 1h de caminhada (em um ritmo beeem tranquilo), chegamos a Racha da Zilda! Do lado esquerdo, fica a queda da Cachoeira dos Anjos. Do lado direito, a corredeira com as águas da Racha da Zilda.

Racha da Zilda

Parece um cânion, é muito bonito mesmo!

Racha da Zilda

Cachoeira do Índio e Pinturas Rupestres

Quando fomos, a entrada para a Cachoeira do Índio não estava sendo cobrada. Não dá nem 5 minutos de caminhada da entrada principal do complexo da Zilda até lá.

A cachoeira tem um poço muito bonito pra banho.

Cachoeira do Índio e Pinturas Rupestres

As Pinturas Rupestres ficam bem próximas à cachoeira.

Cachoeira do Índio e Pinturas Rupestres

Antigamente, parece que era possível atravessar a Cachoeira do Índio e seguir uma trilha até a Cachoeira da Zilda, porém agora o acesso a Cachoeira da Zilda é feito pelo parque abaixo.

Parque Serra do Moleque

O Parque Serra do Moleque fica muito próximo ao Complexo da Zilda, a mais ou menos 30 minutos do centro de Carrancas. O acesso a Cachoeira da Zilda fica nesse parque, além de várias outras cachoeiras. O acesso custa R$ 25 por pessoa e há um restaurante no local.

Dica: o estacionamento fica logo na entrada do Parque e é possível descer até o restaurante (mais ou menos 700m) de jardineira, fornecida pelo próprio parque. Como viajamos durante a pandemia, preferimos descer a pé e, apesar da subida ser pesada, a vista é incrível. Recomendamos 🙂

Cachoeira da Zilda

A Cachoeira da Zilda fica a menos de 10 minutos de caminhada do restaurante do Parque.

A queda é ampla e tem uma prainha de areias brancas. É uma paisagem maravilhosa!

Cachoeira e Poço da Proa

A Cachoeira da Proa é uma das mais bonitas que já vi (e quase não visitamos ela, pois foi a última em que fomos!).

Fica a uns 10 minutos de caminhada, mais abaixo da Cachoeira da Zilda. A queda é muito bonita e o poço final é deslumbrante.

Novamente, as águas verdes e cristalinas de Carrancas impressionam muito!

Cachoeira e Poço do Guatambu

A Cachoeira e Poço do Guatambu fica a uns 15 minutos de caminhada a partir do restaurante do Parque. O poço é sombreado, em uma mata mais fechada. Vale a pena pra conhecer.

Complexo da Vargem Grande

No Complexo da Vargem Grande fica a famosa cachoeira das Esmeraldas, que tem esse nome por causa da cor verde lindíssima de suas águas. São mais ou menos 15 minutos do centro de Carrancas até lá e você pode deixar o carro no Bar e Restaurante Esmeralda. A entrada custa R$ 10 por pessoa.

Poços da Vargem Grande

Ao longo de toda a subida até a Cachoeira da Esmeralda há vários poços pra banho. A paisagem é maravilhosa.

Poços da Vargem Grande

Na volta, como o dia estava frio, paramos pra curtir o sol e as águas geladas nos poços ao longo da trilha.

Cachoeira da Esmeralda

Águas verdes e cristalinas e um poço lindo para banho: essa é a Cachoeira da Esmeralda!

No total são mais ou menos 1,5km de trilha até ela.

Complexo da Toca

O Complexo da Toca também é de fácil acesso, a menos de 10 minutos do centro. É possível deixar o carro estacionado na Pousada e Restaurante da Toca e a partir daí começar a trilha a pé. O valor é de R$ 10 por pessoa.

Antes da trilha propriamente dita começar, passamos por essa ponte bem pitoresca:

Cachoeira da Toca

A Cachoeira da Toca é a primeira atração da trilha, que fica a mais ou menos 15 minutos de caminhada da entrada do complexo.

Cachoeira da Toca

Poço do Coração

Com mais 10 minutos de caminhada é possível chegar ao Poço do Coração, uma das cachoeiras mais bonitas que visitamos em Carrancas!

Poço do Coração

A formação das quedas lembra um coração e a cor da água é muito convidativa.

Poço do Coração

Não deixe de ver a dica de restaurantes ali embaixo e almoçar no Restaurante da Toca na volta da caminhada!

Complexo da Ponte

O Complexo da Ponte é um dos complexos de mais fácil acesso de Carrancas. Fica na entrada principal da cidade e o trecho de estrada de terra é muito pequeno. Você pode deixar o carro no Camping da Ponte, onde pagamos R$ 5 por pessoa para a entrada.

Cachoeira do Salomão

A cachoeira do Salomão é a primeira do complexo, acessível por uma pequena trilha de 10 minutos.

Cachoeira do Salomão

A queda forma um poço muito bonito pra banho (de águas geladas).

Cachoeira do Moinho

Continuando a trilha da cachoeira do Salomão, é possível chegar até a cachoeira do Moinho com mais uns 5 minutos de caminhada. Infelizmente não tiramos foto dessa =(

No complexo também estão o poço da ponte e a a cachoeira do Tira Prosa (não conseguimos visitar essa, apesar de seguirmos as instruções do senhor que nos recebeu na portaria. Andamos séculos por um pasto em um sol escaldante e nada dela…). Depois descobrimos que o acesso é por outro lugar.

Vista da cidade de Carrancas
Vista da cidade de Carrancas

Complexo da Fumaça

A Cachoeira da Fumaça, que fica no Complexo da Fumaça, é um dos cartões portais de Carrancas. Sinceramente, a cachoeira é bonita, mas imprópria pra banho (tanto pelo perigo de afogamento quanto pela poluição das águas, infelizmente), então se você tiver pouco tempo na cidade, foque em outras atrações. Não é cobrada taxa de visitação.

São mais ou menos 15 minutos de Carrancas até a primeira cachoeira do Complexo, a da Fumaça.

Cachoeira da Fumaça

O acesso fica ao lado do estacionamento onde deixamos o carro. A queda é grande e ela tem esse nome pela fumaça que se forma pela queda d’água.

Cachoeira da Fumaça

Cachoeira do Lago Grande

Seguindo um pouco mais de carro pela mesma estrada, é possível chegar a Cachoeira do Lago Grande. Fica ao lado do estacionamento e a vista é muito bonita.

Cachoeira do Lago Grande

Cachoeira do Luciano

Deixando o carro no estacionamento da Cachoeira Lago Grande, seguindo à sua esquerda, é possível chegar a Cachoeira do Luciano depois de uns 10 minutos de caminhada.

Cachoeira do Luciano

A trilha é difícil de achar mas é basicamente seguir no meio do pasto margeando o rio. A queda é muito bonita.

Cachoeira da Serrinha

Não chegamos a ir até a Cachoeira da Serrinha, mas fica no mesmo complexo, a partir da Cachoeira do Lago Grande.

Cachoeira Véu da Noiva

Não conseguimos encontrar o acesso a Cachoeira Véu da Noiva. Algumas pessoas comentaram que estava fechada.

Complexos do Grão Mogol e Tira Prosa

Infelizmente não conseguimos visitar os complexos do Grão Mogol e do Tira Prosa, mas pretendemos ir numa próxima vez!

Onde se hospedar em Carrancas: Chalé Terra Viva

Nós ficamos hospedados no Chalé Terra Viva, que fica a mais ou menos 15 minutos do centro de Carrancas por uma estrada de terra.

Onde se hospedar em Carrancas: Chalé Terra Viva

A propriedade fica em um alto muito bonito e os chalés são bem privativos. A vista é incrível e vimos esse pôr-do-sol todos os dias.

Onde se hospedar em Carrancas: Chalé Terra Viva

O chalé é muito bem equipado com cozinha, hidromassagem e lareira. Visitamos durante a pandemia da covid-19 e o proprietário estava tomando todos os cuidados com segurança, além de ser muito solícito conosco.

Onde se hospedar em Carrancas: Chalé Terra Viva

Restaurantes em Carrancas

Infelizmente não conseguimos visitar muitos restaurantes em Carrancas devido à pandemia. Se você tiver dicas, deixa aqui nos comentários pra uma próxima visita!

Bar e Restaurante da Toca

O restaurante fica no Complexo da Toca e a paisagem é maravilhosa: jardins bem cuidados e lagos lindos. Comemos a lasanha de beringela com tilápia, carro chefe da casa. É maravilhosa!

restaurante em carrancas, restaurante da toca

Tempero da Nair

O Tempero da Nair é um self service à vontade de comida mineira muito gostosa e preço bem justo! Se não me engano, foi R$ 15 o marmitex que a gente mesmo serve. Não tem foto porque estávamos com fome demais no dia kkk.

“Restaurante da praça”

Esse restaurante fica mais ou menos aqui, em frente à praça principal de Carrancas, porém não consegui encontrar o nome dele de jeito nenhum 🙁

A comida é maravilhosa e MUITO farta, almoçamos duas vezes por lá. Vale pedir a porção de linguiça caseira e o pastel de angú!

restaurante em carrancas

Sugestão de programação para 4 dias em Carrancas

Para passar em torno de 4 dias em Carrancas, sugerimos visitar os complexos que achamos mais bonitos:

  • Dia 1: Chegada na cidade, almoço no Complexo da Toca e visita às cachoeiras
  • Dia 2: Passar o dia no Complexo da Zilda e Parque da Serra do Moleque
  • Dia 3: Passar o dia no Complexo Vargem Grande
  • Dia 4: Conhecer o Complexo da fumaça + volta no final do dia

Como chegar em Carrancas/MG

Carrancas fica a mais ou menos 4h de Belo Horizonte seguindo pela BR 381 ou pela BR 040. Em ambas as opções a estrada é asfaltada até a cidade.

Bom, eu contei ali em cima o jeito fácil de chegar em Carrancas, mas é claro que esse blog é com emoção, né? Nós estávamos voltando do litoral de São Paulo quando fomos pra Carrancas. Colocamos no GPS e nem olhamos a estrada. De repente, próximo a Carrancas, quando vimos as únicas opções que tínhamos era entrar numa estradinha minúscula de terra ou dar uma volta enorme e pegar o asfalto novamente.

Claro que fomos pela estradinha. E essa estradinha, logo descobrimos, cortava várias fazendas de mixirica. Passamos no meio de várias plantações sem ver viva alma, sem sinal de celular nem casas por perto. Foi mais de uma hora até chegarmos a estrada de terra batida “normal” que dá acesso à cidade e a vários complexos de cachoeiras. Essa estradinha e a que pegamos entre Porto Alegre e Gramado estão na história como as piores ciladas do Google Maps que já pegamos…

Como chegar em Carrancas/MG

Se você tem mais alguma dica sobre Carranacas, conta pra gente aqui embaixo!

veja os posts relacionados

Deixe seu comentário